Brisa Noronha (n. 1990, Belo Horizonte).

Vive e trabalha em São Paulo.

É mestranda em Poéticas Visuais pelo Departamento de Artes Visuais da USP (em andamento), bacharel em Comunicação Social pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (2015) e em Artes Visuais pela Faculdade Santa Marcelina (2015).

Em seu trabalho, Brisa atua entre as relações de delicadeza e resistência da matéria, entendendo-a como um sujeito ativo no processo de criação. Suas experimentações são construídas tanto pela a ação da artista quanto pela resposta – ingovernável – dos materiais, em que a vida sensível se revela. Seus procedimentos incorporam, na mesma medida, a ação intencional e o inesperado, deslocando a ideia da falha, do erro, para uma espécie de pedagogia da matéria, na qual nos dá a ver seus processos constantes de reestruturação, vitais para a continuidade de qualquer organização viva. A artista busca estar atenta às qualidades físicas daquilo que observa, com interesse na disposição dos objetos em cenas cotidianas e na estruturação de sistemas que a incitam a pesquisar experimentalmente a transformação dos materiais e seus limites. Seu trabalho se desenvolve em diferentes suportes como pinturas, vídeos, fotografias e, em especial, a porcelana.

Recebeu em 2017 bolsa do programa “Freedom to create”, da residência artística Arteles, Finlândia, e em 2015 foi premiada no 22º Salão de Artes Plásticas de Praia Grande, em São Paulo. Atualmente Brisa orienta um grupo de projetos artísticos em cerâmica no espaço independente Hermes Artes Visuais, e desde 2020 é representada pela Galeria Sé em São Paulo.